Tags

, ,

“Cadeados do amor”

São chamados os cadeados, que os namorados fixam em uma ponte, em uma cerca, no portão, ou local público onde estes irão simbolizar seu amor eterno. Normalmente estão gravados os nomes ou iniciais dos nomes dos apaixonados nos cadeados. Estes cadeados são fechados nas grades da ponte e sua chave é lançada bem longe para simbolizar o amor inquebrável.

Desde a década de 2000, os cadeados de amor têm proliferado em um número crescente de locais em todo o mundo. Eles são muitas vezes tratados pelas autoridades municipais como lixo ou vandalismo sob pena de multa, e é lógico que eles tem algum custo para a sua remoção e assim manter o local limpo.

A história dos cadeados do amor remonta, a pelo menos, 100 anos para um conto melancólico sérvio da Primeira Guerra Mundial, com atribuições para a ponte Most Ljubavi (literalmente a Ponte do Amor) na cidade-spa de Vrnjačka Banja.

Uma jovem chamado Nada, natural de Vrnjačka Banja, apaixonou-se por um oficial sérvio chamado Relja. Depois que eles declararam o amor um ao outro, Relja vai à guerra na Grécia, onde ele se apaixona por uma mulher local de Corfu. Como consequência, Relja e Nada rompem o noivado. Nada nunca se recuperou do golpe devastador, e depois de algum tempo ela morre devido à decepção de seu amor infeliz.

Como as mulheres jovens de Vrnjačka Banja queriam proteger seus próprios amores, elas começaram a escrever os seus nomes e os nomes de seus queridos em cadeados e fechando-os nas grades da ponte onde Nada e Relja se encontraram previamente.

Para os críticos, a moda está desfigurando as lindas pontes europeias e se espalhando como uma “epidemia”.

Mas seria o ritual romântico em que casais colocam cadeados em pontes e jogam a chave nos rios um ato de vandalismo ou uma simples expressão de amor?

Embora alguns pensem ser uma tradição dos cadeados de amor por ter alguns anos, tal mania é recente desde os anos 2000, quando dois livros-romances de Frederico Moccia, Tre Metri sopra il Cielo (Três Metros Acima do Céu) e Ho Voglia di Te (Quero-te Muito) apareceram e até elaboração de um filme. De acordo com a lenda, ficarão para sempre juntos os amantes, em Roma, que escrevam os seus nomes num cadeado e o prendem ao terceiro candeiro no lado norte da Ponte Mílvia, atirando a chave ao rio Tibre.

3MAC 001

9789722522908

A ideia de um vínculo supostamente indestrutível simbolizaria os laços eternos entre duas pessoas apaixonadas – mas muitos dos cadeados acabam sendo quebrados sem qualquer cerimônia por autoridades locais.

Às vezes, painéis inteiros de pontes, envergados sob o peso dos cadeados, são removidos.
E à medida que a moda se alastra pelo mundo, surgem empresas tentando lucrar com a novidade. Algumas oferecem cadeados em formato de coração com os nomes dos apaixonados e sugerem lugares onde os cadeados podem ser colocados – em Amsterdã, Praga, Chicago, Nova York, Sydney, Roma e cidades britânicas.
Torre Eiffel
Em muitas cidades o ato travar os cadeados é proibido pelas comunidades e autoridades, pois enfeiam e danificam por corrosão as pontes e monumentos, já que oxidam levando à ferrugem e, em grande quantidade, pesam muito à estrutura. Em Recife tal ato iniciou na Rua da Aurora, porém depois que a grade foi roubada duas vezes à venda do metal à sucata, a ideia não foi retomada.

IMG_4022IMG_4019

IMG_4018

As fotos são minhas em uma viagem que fiz a Lisboa/ Portugal.

Espero que gostem e para os amantes e românticos esta aí uma dica de

“Amor eterno”.

Abraços

❤ ❤ ❤ ❤ ❤ ❤ ❤ ❤

Anúncios